VilmaSouza

Sejam bem vindos sempre.
Este Blog possui fotografias artísticas e artigos de direitos autorais, repeite-os. VS

31 de agosto de 2009

Fim de Semana em Cabaraquara - 30/08/2009

Descendo a Serra- Rodovia sentido Curitiba/Paranaguá


Assim que desci do carro já fui me deparando com lembranças boas. Amoras do mato. Me trazem lembranças da infância, quando minha mãe, meu pai e o casal vizinho "Dª Lurdes e seu marido" saiam e deixavam todos os filhos com uma bába e acreditem a bába era o nosso melhor amigo "O Polaco" (filho mais velho da Dª Lurdes), até hoje não lembro o nome dele, mas ainda é meu amigo e tem orgulho de dizer que um dia foi a nossa bába (agora depois de mais vivido, kkkkkkkk), já rimos muito da nossa história, amizade, cumplicidade, diversão e aventuras. Saudades. Você diria e o que as amoras tem com isso?

Flores da Serra e as vejo também logo que desço do carro, ficam ao lado do portão da casa, junto com as amoras.

O deslumbre com as amoras. Quero pegar e comer ali mesmo nem precisa lavar. Os amigos de viagem acham que são venenosas, nem chegam perto. também pudera é um barranco que cai no rio.
Olhe que achado e bem maduras. Como ninguém se atreveu a comê-las, sobrou mais pra mim. kkk. O flor me ajudou a catar algumas senão acho que caia do barranco pra alcançar algumas... rs ..rs... já rolei muito barranco atrás de um achado desses aí.

Você ainda deve estar se perguntando. O que tem as amoras de especial?

Vou te dizer as especialidades da amora em minha vida:

- Gosto de infância alegre e divertida;
- A importância de amigos na minha vida;
- Muito amor, aventuras e futebol;
- Cumplicidade e liberdade;
- Gosto de quero mais;
- Procurar e encontrar sempre mais;
- as flores do pé de amora são brancas com amarelo ao centro (amor as margaridas)
- E, gosto de tudo de bom.

Aí você esta se perguntando: Porque isto é marcante pra mim? O que tem haver com a bába?
Bom a bába, o querido Polaco, pra cuidar das duas irmãs e das filhas da vizinha "Dª Irene" (total de seis meninas pentelhas), perdia o jogo de futebol e o jeito era levar-nos junto com a cumplicidade de ninguém falar nada, mas com um aceite de suborno.
O suborno era as meninas não jogarem futebol, nem contarem aos pais que haviam saido em troca das amoras. Jogavam sempre perto de um lugar que tivesse amoras e aí as meninas não encomodavam o futebol.
Então enquanto procuravamos e devoravamos as amoras os meninos (amigos e primos) jogavam, mas as amoras ficam sempre em barrancos.
Pensando bem acho que nem sempre o Polaco, os amigos e primos conseguiam jogar, eles acabavam tendo que colher amoras e a caçada sempre era uma brincadeira gostosa, quem achava comia ali mesmo, sem lavar ou se preocupar se ia cair do barranco, coisa que por vezes acontecia (acho que eu tinha quatro a cinco anos).
Nossos pais nem desconfiavam, nunca deixamos uma amora pra contar história.
As vezes o Polaco queria mesmo jogar e não gostava da chacota dos amigos por ser bába justo das meninas. Então saia e deixava uma por conta da outra e quando voltava era a diversão, as amoras eram as maiores e mais maduras. Já rimos juntos depois de muitos anos sentados ao bar dessas aventuras. Até o flor conhece minha bába.
Encontrar amoras é coisa rara hoje em dia e eu as encontrei, só pra varias próxima ao barranco que acaba por cair no rio em frente a casa do mário.

Flor, Mário, Ricardo, Sirley e eu na câmara fotográfica a ouviros causos dos pescadores da região e só pra variar regado a cerveja.

Mas lá vem o pescador "Café" com a vasilha de peixe fresco pra frita na lanchonete. Humm! adoro peixe. Comi também tainhota defumada, o que lembra a casa da minha avó Marcelina. Que delícia de peixe. Que saudades da infãncia e adolescência.

Vista do tereno da casa do Mário. ainda em obras- Cabaraquara

Flor e Mário na entrada da casa.
Amigos verdadeiros.
Parecem o quase gordo e o quase magro. kkkkk

Um fim de semana feliz de muito sol em companhia de amigos.
Lembranças e saudades da infância, adolescência e de Paranaguá.
Nada de estress parece que o tempo ali havia parado,
tudo calmo e tranquilo à moda dos pescadores.

2 comentários:

DE VEZ EM QDO VENHO AQUI disse...

q inveja boa, amo amora me lembra a infancia no sitio de meus tios,nossa, quero ler com calma tudo q postou, to dopada do remedio de gripe, mas é bom demais sair cm amigos e familia,é o mario do conselho??vou la no seu diário,mas faço questao de voltar aqui depois!bj e vc ta linda!!!

Vilminha disse...

lane não não é o Mário do Conselho. É outro amigo que é irmão da Bete do Sítio. Viajamos muito juntos com o casal e com os pais dele que também são nossos amigos a muitos anos.
bjs lane e volte com tempo se cuida.